Carta Aberta À Uma Flor

Flores. Elas estão por todos os lados. Jorram o seu perfume pelo ar e balançam suas pétalas ao dançar com o ar, esta sinfonia Divina que nos envolve afim de nos alegrar.
Um dia encontrei uma flor. Ao olhar em sua direção, a mesma me presenteou com um dos mais belos espetáculos em que eu, um ser vivo tão pequeno, poderia ter: Um sorriso. Ela sorriu com suas longas pétalas, se inclinou e me abraçou. Quer perfume!

A partir daquele momento não compreendi que minha vida e meu mundo eram feios. Nunca ninguém havia mostrado tamanho zelo pela minha espécie. Ela queria cuidar de mim, e eu dela. Mas ela era tão fraquinha, olha só o tronco dela! Magrinha, mas de uma força. Nunca se deu por vencida. Foram tempestades, incêndios, pragas e ela se manteve firme e forte ali. Sorte minha!

Quando a conheci era verão, o Sol brilhava e não nos faltava absolutamente nada. Passávamos horas conversando sem que pudéssemos notar o revezamento do amigo Sol e da amiga Lua. Como eu amava estar ali e com ela!

Durante a virada da estação o inverno veio e com ele um vento muito forte. Ela insistia em ir para a direção em que o sopro da Divindade apontava e eu dizia que ela tinha que se manter no lado oposto, para não se machucar. Ela não acatava a minha sugestão, assim como não concordava com a minha maneira de viver. Eu gostava de ficar parado e saltando, igual um maluco e ela gostava de ficar parada admirando o céu. Um dia achei que era muito diferente dela e resolvi sair pelo mundo, sem lenço e sem documento, como a canção. Redescobri aquele mundo feio e tenebroso já vivenciado.

Voltei! Estava chuvendo. Mas quem se importa? Ela estava comigo mais uma vez! E aquele sorriso… Ela disse que sentia minha falta e que só queria o meu bem, e por isso ficou daquele jeito, parada, como era de costume. Mas o meu bem, assim como o da minha flor, era estar com ela. Ela não resolveu pular como eu, mas decidiu balançar seu esguio corpo comigo e decidi também aprender com ela a beleza de ficar imóvel e observar as coisas ao nosso redor. Somos muito diferentes. Mas isso é óbvio! Ela é uma flor, um amor, e eu sou um esquilo, apenas um roedor. E é por isso que eu te amo! Func, func func!

chipmunk0035

Advertisements
This entry was posted in Contos and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Carta Aberta À Uma Flor

  1. Pamela says:

    Lindo!
    De uma delicadeza e ternura ímpares!
    Parabéns!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s