Cu

Amigo leitor, eu sei que ainda é carnaval, contudo por favor segure o ímpeto voraz que dilacera a alma, as roupas e a voz de tanto cantar as marchinhas tão queridas e adoradas por tanto tempo. O título é um tanto quanto sugestivo para a época do ano, porém me refiro ao elemento químico Cobre, cujo o símbolo da tabela periódica é Cu (do latim cuprum).

Nos último mês de junho, a indústria de São Paulo teve um prejuízo de R$278 mil com o desvio de 15,4 toneladas do metal. Este cobre roubado é revendido e comprado sem qualquer garantia de procedência. As fontes parecem ser inesgotáveis: empresas de telecomunicações, energia e engenharia civil são os principais alvos. No Rio de Janeiro não é muito difícil de encontrar uma rua sem luz por conta do roubo de cobre. E se por um lado a falta de luz traz grande incômodo para nossa população, a presença dela parece não afetar a atuação dos nossos gatunos. Em reportagem exibida a pouco tempo no jornal “Fantástico” da Rede Globo, os repórteres flagraram o meliante usando até uma picareta para arrancar os fios de uma mureta em plena luz do dia.

O episódio mais recente que tivemos e que tomou maiores proporções, foi o do último dia 6 de fevereiro. O MetrôRio foi a vítima da vez. Onze estações da Linha 2 do Metrô ficaram fechadas devido a uma pane no sistema de sinalização. A interrupção do serviço foi causada pelo furto de cabos de energia elétrica que abastecem o sistema, atrapalhando assim, a vida de milhares de cariocas.

O pior amigo leitor, é que somos reféns da nossa própria sociedade. Estes que roubam os cabos de cobre, são os mesmos que adulteram o relógio da água, para roubar água, adulteram o marcador da luz, para roubar energia, roubam o sinal das televisões por assinatura e etc. Somos vítimas de nós mesmos, vítimas daqueles que ao cometerem tais atos, acabam se tornando um espelho para os mais jovens, corrompendo assim toda uma estrutura onde o “levar vantagem” impera no cotidiano. Por isso meu amigo, tome cuidado, mas muito cuidado… Porque quem têm Cu, tem medo.

Roubo de cobre em São Paulo
Advertisements
This entry was posted in Crônicas and tagged . Bookmark the permalink.

One Response to Cu

  1. Mais um excelente texto, repleto de consciência e criatividade, sem falar no criticismo ácido na medida certa.
    Parabéns!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s